LUTOS - Maitê Turetta

QUINTA-FEIRA, 19 DE MARÇO DE 2020

Vê. Não somos gentis.

Na ausência total de sentido para as coisas úteis, percebe-se um vazio imenso, que preenche todas as pequenezas que nos invadem na correnteza das coisas. A verdade é que partimos, inevitavelmente, de lugares distintos. A pequeneza das coisas se traduz em valor, negociável, de tempo e energia. A correnteza da vida não é sinuosa como a dos rios, ou melhor, ela foi, mas botaram cimento. A correnteza das coisas não nos permite, talvez, contrariando toda filosofia, ser diferente do que somos agora. Só os astros.

Todos os cadáveres estão na sala, fedendo.

Empacotando seus corpos, o que sobrou deles, eu choro, um por dia. Eu os choro agora, porque só agora posso fazê-lo. Mas tenho de fazê-lo.

A correnteza é implacável.

Embora os lutos venham, os dias de sol e incerteza, me acalmam. Porque não importa o que eu deixe de fazer. A calma invade e eu choro em paz.

Faço velórios silenciosos, que se confundem com as coisas do dia. Ninguém sabe, mas eu estou de luto. Rezo pelos mortos, e sei que agora eles podem viver tranquilos. Mas eles fedem. Eu acelero seus enterros, mas não quero chorá-los com pressa. Momento propício este, que me deixa chorar com calma.

Eu vou enterrá-los, todos. Para que eu possa encontrá-los em alguma parte sem constrangimentos.

Eu me comprometo com o futuro, a partir disso, quando ele vier.


Posts recentes

Ver tudo

Contato e contratações: contato@lyradasartes.com.br

Lojinha: loja@lyradasartes.com.br

WhatsApp: +55 11 9 5805-4681

© 2019-20 LYRA DAS ARTES - NEGÓCIOS CRIATIVOS

facebook-logo.png
instagram.png
youtube (1).png